sexta-feira, 1 de maio de 2015

Recomendações de Maria para viver bem o mês de maio

Do livro “Mês de maio” - S.V. Pallotti

Eu gostaria que lêsseis todos os dias um pouco da vida dos Santos. Não apenas de Santos Sacerdotes ou Bispos, mas, também, de Santos Leigos, para sempre mais humilhar-vos fazendo o confronto com vosso modo de viver. Pedi a opinião do vosso Diretor Espiritual para escolher o livro e imaginai que é Jesus que através dele faz a escolha. Eu suplicarei ao Espírito Santo que o ilumine para que o livro indicado seja uma resposta de Deus às vossas maiores necessidades.

Tende um grande apreço a este Mês de Maio! Pode ser o último de vossa vida, ou o primeiro de aprimoramento da vossa verdadeira santificação, e, consequentemente, da santificação uma multidão de pessoas, pois quanto mais o sacerdote, cresce em santidade, tanto mais santifica o povo de Deus. Por isso valorizai toda boa inspiração e anotai-a em um caderno e quando puder partilhai com vosso Diretor Espiritual. Anotai também as decisões que tomar.

Se não vos preocupastes em ter um bom orientador e até agora não tendes um Diretor Espiritual, a primeira e mais importante decisão a tomar neste mês é buscar um. Pedi a Deus que vos dê um Diretor segundo o seu Espírito, para compreender vossas necessidades espirituais. E eu estarei intercedendo ardorosamente para que recebais esta graça, pois sei o quanto é importante para vossa santificação ter um bom Diretor Espiritual.

Recordai-vos que “a sabedoria não é encontrada pelos que vivem uma vida mansa” (cf. Jó 28,13). Se quiserdes receber o Espírito Santo, implorai com muita fé e fazei cada dia alguma mortificação, sob a orientação do Diretor Espiritual.

Depois de tudo o que vos disse, podeis entender que enquanto vós, Ministros do Evangelho, vos dispondes a consagrar-me este mês, eu arderei de desejos e farei de tudo na ordem da graça a fim de que tenhais as disposições necessárias para receber a plenitude do Espírito Santo. E assim vos tornardes o que meu Filho desejou quando vos deu a vocação para viver no Santuário.

Reze três Ave-Marias pedindo proteção de Maria e de S. Vicente Pallotti à sua família e por todos os que sofrem.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Festa de São Jorge

Na quinta-feira (23/04), dia de São Jorge, o santo guerreiro foi homenageado pela Paróquia Nossa Senhora Imaculada Conceição, em Cachoeiras de Macacu, com uma procissão entre as capelas de Santo Antônio e São Jorge (na Boa Vista). A caminhada contou com a participação de dezenas de fiéis e até de um paroquiano vestido de São Jorge, com direito a cavalo branco, escudo e armas.


- A nossa procissão foi a manifestação da nossa fé em Jesus Cristo. E, hoje em dia, dizer a verdade e declarar em quem confiamos, é um ato de coragem, assim como São Jorge foi corajoso em sua época – disse o pároco local, Pe. Lucas Kaczmarek.




Após chegar ao local de destino, os participantes da procissão acompanharam a Santa Missa celebrada na pequena capela. O local não comportou o número de pessoas, e muitos apenas “ouviram” a celebração do lado de fora, enquanto o padre falava sobre a vida e a fé do homenageado.


- São Jorge viveu pouco, apenas 23 anos, mas fez muito, por muitas pessoas. Ele sempre professou sua fé, e declarava que servia ao seu Deus, defendendo os cristãos da época. E esse deve ser nosso exemplo de superação, para vencer os obstáculos da vida – explicou.

Fernanda Aires (texto e fotos)

segunda-feira, 20 de abril de 2015

220 anos de nascimento de São Vicente Pallotti


No dia de hoje, 21 de abril de 2015, celebramos os 220 anos de nascimento de São Vicente Pallotti, em Roma. Ele viveu incansavelmente o amor misericordioso de Deus. Procurou, com seu testemunho de vida, ajudar  todos a encontrarem o caminho da salvação, que vem de Deus.

Os Últimos anos da sua vida foram ligados com a igreja de SS. Salvadore in Onda. Nesta igreja, que é também o centro mundial de espiritualidade da União do Apostolado Católico encontram-se as relíquias do corpo de São Vicente.

Sabemos que não todos podem chegar para Roma para visitar os lugares relacionados com a vida do nosso Santo Fundador, por isso no dia do seu aniversário colocamos em site da Casa Geral (www.sac.info) o passeio virtual pelo igreja de SS. Salvadore in Onda (http://pajorama.eu/SAC/San-Salvatore-in-Onda.html) e pelo museu e quarto de São Vincente (http://pajorama.eu/SAC/Museo-Vincenzo-Pallotti.html). Desejamos um bom passeio para conhecer melhor, os  lugares ligados com nosso Pai Espiritual.

terça-feira, 7 de abril de 2015

Apóstolos Hoje - Abril de 2015


A Paz e o Diálogo Social (EG 238-258) -
A preparação espiritual para o Congresso Geral da União em julho de 2015.

Podemos concordar que a paz é o desejo humano mais profundo. Todos nós queremos a paz, todos nós queremos viver em paz. Mas, podemos perguntar: o que é a paz, o que é essa paz que desejamos?

O Papa Paulo VI em sua carta encíclica Populorum Progressio apontou que: “A paz não pode ser reduzida a uma ausência de guerra, resultado de um equilíbrio sempre precário das forças. Ela é construída dia a dia, na busca de uma ordem, querida por Deus, o que implica uma justiça mais perfeita entre os homens”.[1]
Aqui nós temos um primeiro elemento para entender o que é a paz: a justiça. Então, podemos dizer que não há verdadeira paz sem justiça. Continuando com esta afirmação, poderíamos dizer que não há justiça sem igualdade entre as pessoas e um mundo que permite o desenvolvimento integral de todas as pessoas.
Dando uma breve olhada para a vida de nosso santo fundador descobrimos que ele estava muito empenhado em promover a unidade social do povo de seu tempo. Um primeiro apostolado de São Vicente Pallotti foi o campo da educação, quando ele no ano de 1819, ainda muito jovem, começou a trabalhar em uma escola noturna e, em seguida, fundou outra escola para os artesãos, porque ele entendeu que essas escolas eram uma oportunidade para dar aos jovens romanos analfabetos uma chance real de se prepararem melhor para um futuro incerto.

O segundo elemento para entender o que é a paz é: o diálogo. De modo tal que se possa também dizer que não há verdadeira paz sem diálogo. E o diálogo vai ser tão longo como cada um de nós é capaz de olhar e reconhecer os outros como iguais, com a mesma dignidade. Nos tempos antigos, Sócrates acreditava que o diálogo era o caminho para conhecer a verdade.
O diálogo permite-nos ver que as diferenças enriquecem em vez de empobrecer ou levar à divisão. O fato de que nós somos diferentes uns dos outros faz com que o diálogo seja uma oportunidade para enriquecer-nos, e aceitar que o outro seja diferente.

Se não temos bem presente este segundo elemento, não podemos cumprir com o que é o nosso carisma deixado por Pallotti como herança. O Santo Padre Francisco recorda na exortação Evangelii Gaudium que a evangelização implica também um processo de diálogo.[2]

A pessoa quando se depara com um problema, não se interessa tanto em resolvê-lo, quanto poder comunicá-lo, ela precisa compartilhá-lo, e isso vai lhe dar alívio. Assim é necessária a capacidade de ter empatia. Isto é, colocar-se no lugar do outro para descobrir o porquê de suas atitudes, de suas necessidades. Não conhecendo as diferenças, muitas vezes se perde a oportunidade de entender, compreender, acompanhar e, sobretudo, de interpretar os sentimentos do outro. Isso pode ser facilmente transferido para o campo da religião. O cristão e qualquer outra pessoa que professa ou não uma fé, não deve zombar das crenças do outro por ser diferente da minha.

Muitas vezes acontece que alguns intelectuais e instruídos tendem  a ser a favor da complementaridade e do diálogo, mas alguns pretendem mostrar um monopólio cognitivo que não deixam espaço para os outros. Este é um ponto-chave no diálogo entre ciência e fé. Trata-se de evitar os vários “imperialismos” que procuram atribuir o monopólio da verdade, para uma abordagem particular, importante ou nobre que seja esquecendo que se pode chegar à verdade objetiva por diversos caminhos e que a busca sincera da verdade exige respeito mútuo entre todos aqueles que a procuram.

Oração
Senhor Jesus, que nos ensinastes a amar-nos profundamente, para que possamos ser felizes em nossa vida. Devemos entender que cada situação na vida é uma oportunidade de amar-nos uns aos outros, de dar-nos um ao outro, buscar juntos a verdade, mesmo na forma de como queremos construir a nossa relação fraterna, apoiados por um amor que se manifesta no nosso diálogo. Ajude-nos a sermos esclarecidos para lidar com as diferenças de opinião, porque queremos crescer sustentados pela tua mão. Amém.

Reflexão
1. Em que lugares e situações na sociedade onde moro, descubro que a paz não está presente porque a justiça está faltando?
2. Como é o nosso diálogo com os irmãos e irmãs que professam uma fé diferente da nossa? Fechamo-nos em nossas posturas, ou buscamos maneiras de abrir um diálogo?
3. Lembrar um momento em que o nosso diálogo levou-nos de uma posição de distância a uma experiência nova e positiva.
4. Quais são as causas que não promovem o diálogo sobre temas religiosos?
5. Propor um objetivo para melhorar o nosso diálogo na família. 
Pe. Fernando Bello SAC,
Promotor da Formação Nacional,
Argentina


[1] Cf. Enc. POPULORUM PROGRESSIO, n° 76.
[2] Cf. EVANGELII GAUDIUM, n° 238

domingo, 5 de abril de 2015

SEMANA SANTA E TRíDUO PASCAL NA PARÓQUIA SÃO BENEDITO



Quarta-Feira Santa: Meditando a traição de Judas e o anúncio que Jesus faz de sua própria morte.  Procissão do Encontro
Após a Santa Missa, um grande número de fiéis de nossa comunidade saiu em procissão, em baixo de muita chuva, com a imagem de Nosso Senhor dos Passos para encontrar em frente a Matiz São José do Avahy com a Imagem de Nossa Senhora das Dores vinda em procissão da Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima (Bairro Vinhosa). E dentro da igreja, os fiéis escutam atentamente à pregação finalizando esse ato de fé cristã.






Quinta-Feira Santa: a Ultima Ceia. Instituição da Eucaristia e cerimônia do Lava Pés. Num único só dia, Jesus instituiu a Eucaristia, o sacerdócio e deu o Mandamento Novo. 







Sexta- Feira da Paixão do Senhor: Crucificação e Morte de Cristo na Cruz.
Pela manhã, foi encenada e rezada a Via-sacra pelas ruas do Bairro da Matriz São Benedito e, também, o encerramento do 9º dia da Novena de Penitência com procissão que estava sendo realizada, todos os sábados, às 5h45 da manhã, na intenção de pedir aos céus chuvas para a nossa região que está sofrendo com o longo período de seca.
À noite, Celebração da Paixão seguida da Pregação e descida de Cristo da Cruz e, Procissão com a imagem de Cristo Morto acompanhada pelo cortejo e fiéis com velas acesas, em silencio até a Matriz São do Centro da cidade para última despedida simbólica do corpo de Cristo.






















Sábado Santo e Domingo da Ressurreição!!!
No domingo, às 7h da manhã, os fiéis saem em procissão, cantando e rezando acompanhando o Santíssimo Sacramento que abençoava as casas, comércios e todos das ruas por onde o cortejo passava e com a imagem de Cristo Ressuscitado.









Ele não está mais aqui, Meu Senhor Resuscitou!!!
Aleluia!!!! Santa Páscoa para Todos!!!