segunda-feira, 27 de junho de 2016

Adoção espiritual

Ontem (26 de junho) tivemos na paroquia de são Benedito em Itaperuna a Benção dos "pais espirituais", aqueles que por meio da fé, ficaram compromissadas a uma adoção espiritual de crianças, que por alguma situação ou circunstância estão sobre perigo físico ou espiritual.




Eles não sabem quem são elas, aonde vivem ou quantos anos tem, mas Deus sabe e fará com que cada oração destes "pais" chegue às crianças que precisam.

domingo, 26 de junho de 2016

Apóstolos Hoje - junho 2016

Misericórdia e respeito pela vida

Queridas irmãs e irmãos da UAC, depois que Papa Francisco proclamou o Ano Santo da Misericórdia, o Secretariado Geral pediu-me, uma contribuição para “Apóstolos Hoje”, com uma reflexão sobre “Misericórdia e respeito pela vida (num sentido mais amplo)”. Eu aceitei, também porque o tema me interessa. Contudo, passaram-se alguns meses e eu não sei francamente o que escrever. A palavra misericórdia não possui uma grande expressão na nossa linguagem diária; na verdade, na Igreja, foi usada quase que abusivamente. E agora preciso dar minha opinião a respeito. Ao mesmo tempo sei que, por natureza, tenho tendência a fazer perguntas, mais do que dar respostas comprometedoras. Talvez me escolheram para este tema, porque tenho uma relação especial com “a vida”, e, por causa do meu trabalho como médico minha reflexão vem mais da experiência de vida, do que do pensamento teológico. Então, quero partilhar com vocês os meus pensamentos, as perguntas e os esforços para oferecer ideias.

Quando escrevo sobre um tema, gosto de começar consultando o dicionário etimológico, o qual explica a palavra alemã “erbarmen” como “ser misericordioso”, isto é, “livre de pobreza, de infelicidade, de sofrimento, de privações”, ou no sentido mais geral, “da solidão”. Na língua alemã, o termo tem, por isso, uma característica muito ligada à caridade. Em Hebraico a palavra misericórdia é “hesed”, refere-se a “útero”, e por isso, nascimento, criação, é diretamente associada à vida. Na nossa existência e considerando a história do mundo, percebemos que a vida possui, em si mesma, situações de angústia, de sofrimento e de morte. Porque é assim? Porque Deus onipotente e bondoso criou o mundo frágil? São perguntas sobre as quais muitos teológos quase fundiram o cérebro; e nem eu encontrei uma resposta que seja verdadeiramente satifatória.
Deus criou o mundo por amor, e, por misericórdia o resgatou. Nós sabemos e interiorizamos esta verdade de fé. Mas, eu tenho dificuldade de considerar-me amigo de um Deus que, no entusiasmo do seu primeiro amor, criou um mundo – e Ele percebeu – que era muito miserável, tanto que precisou interferir novamente para concluir uma obra não tão bem sucedida. (Talvez isto possa parecer um tanto superficial e não suficientemente respeitoso, mas acontece que esta é uma das objeçöes mais frequentes de muitas pessoas – que tem uma visão crítica da nossa fé cristã – e eu desejo levar a sério estes irmãos e irmãs).
Nós acreditamos que os seres humanos são criados por Deus, são criaturas, e por isso, muito diferentes de Deus; não onipotentes, não infinitas, não eternas. Cremos, porém, que somos criados à imagem de Deus, e esta imagem é renovada pelo fato que Deus nos concedeu a liberdade, o conhecimento, a criatividade e o domínio sobre o mundo. Nós não somos Deus, mas, ao mesmo tempo, cada um de nós é feito unicamente à imagem de Deus. Esta é a única glória que pode transformar a nossa miséria, cada vez que abandonamos esta imagem e decidimos, através de palavras, gestos e atitudes, que somos maiores do que Deus, queremos viver a nossa vida – toda ou em parte – sem referimento ao chamado do seu infinito amor, que está gravado no mais íntimo do nosso ser. Aqui está a raiz do nosso pecado, desde a origem da humanidade até hoje. Nós seres humanos conhecemos este dilema da nossa glória e da nossa miséria, que está realmente no coração da nossa existência, da nossa experiência.
Compreendo este dilema, somente quando considero a criação como algo ainda não concluído, não completo. O que para nós criaturas, acontece agora, para Deus – que é fora do tempo – é um ser criado “desde a eternidade para a eternidade”. Esta é a única maneira com a qual posso explicar a mim mesmo a narração bíblica da criação, no início do “nosso” tempo, quando Deus viu que tudo é bom, verdadeiramente muito bom, e depois quando Paulo escreve a Igreja de Roma: “a inteira criação sofre e geme em dores de parto” e está ainda em processo de tornar-se melhor, aliás, muito melhor, no sentido mais pleno. O amor do Pai Criador é eterno, e nesta eternidade Ele cria por amor o mundo, a vida, os seres humanos à sua imagem. No Filho, a criação já é antecipada, como narra o Prólogo do Evangelho de São João. Ele é, falando agora em termos humanos, o início e o fim da criação, a sua origem e destino. Com sua Encarnação Ele conduz e acompanha a humanidade durante o tempo da imperfeição. A natureza que sustenta tudo isto é a misericórdia, o amor encarnado de Deus, que flui na criação. O fruto do amor é a criação, o fruto da misericórdia é a recriação, a criação nova, ou, mais compreensível para mim, o complemento da criação, como escreve o profeta Isaias (cf. Is 11, 6-9). Certamente os meus pensamentos não são de “alta teologia”, porém, ajudam-me a responder minhas perguntas e minhas dúvidas.
Se Deus é amor infinito e misericórdia infinita, então o amor e a compaixão são as características mais nobres para nós, seres humanos, como imagem de Deus, embora numa dimensão limitada e finita. Se Deus nos acomapnha com compaixão no nosso caminho para a integridade e plenitude, nós somos chamados a acompanhar a criação, que dominamos, a vida que nos foi confiada, as pessoas que caminham conosco na misericórdia e na compaixão. Se Deus “se compadece ” de nossa imperfeição temporal, “nos respeita”, então, também nós devemos mostrar compaixão a quem é infeliz e desolado. Isto quer dizer não somente olhar adiante, para não desviar do caminho certo, mas também olhar ao nosso redor, ver se aqueles que estão próximos – precisam da nossa ajuda.
E esses certamente precisam. Isto é o que solicitam as chamadas obras de misericórdia corporais: (conforme o Evangelho de Mateus 25, 35-40) que nos falam das necesssidades humanas fundamentais e colocam em evidência o compromisso das pessoas. As obras de misericórdia espirituais, formuladas por Santo Agostinho, a maioria delas se referem, à relação interpessoal, dando ênfase à necessidade da relação interpessoal entre os seres humanos.
Um dos fundamentos da espiritualidade palotina é que cada pessoa humana foi criada à semelhança de Deus. Isto não é um privilégio que nos autoriza a fazer o que nós queremos, e certamente não à destruição da vida e à exploração selvagem da terra, mas somos chamados a assumir a atitude de Deus no seu respeito pela criação, no seu amor e na sua misericórdia. Esta é a nossa vocação. Fundamentalmente, a caridade é institucionalizada em nossa sociedade moderna do bem-estar, e por isso, não são poucos aqueles que a consideram como uma coisa pública e não como um chamado ao empenho pessoal. A minha profissão de médico, porém, me mostra claramente, que a relação, baseada na compaixão, na misericórdia, na atenção amorosa, deve ser uma coisa pessoal se quer produzir fruto e ser eficaz.
Respeito pela vida. O que dizer para mim? E o que significa para nós, família Palotina? Eu penso que quer dizer, olhar com amor todas as criaturas, com as quais São Vicente Pallotti desejava estar unido no Cenáculo, também com todas as coisas criadas: sermos prudentes e atenciosos. Tal atitude certamente poderá fazer do mundo um lugar melhor.

 Alois Wittmann UAC
 Alemanha.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Pastoral da Criança em Cachoeiras de Macacu

Novos membros, meses de reestruturação, dezenas de reuniões e encontros de capacitação. Essa é a atual rotina da Pastoral da Criança da Matriz Paroquial Nossa Senhora Imaculada Conceição, em Cachoeiras de Macacu. O novo grupo foi apresentado à comunidade no domingo (19/06), durante a Santa Missa das 10h, e receberam a bênção do Vigário Episcopal Sede e Pároco local, Pe. Lucas Kaczmarek. O envio para a missão acontecerá no mês que vem, com a bênção do Vigário Paroquial, Pe. Denis Alves.
- Muitas pessoas já ajudaram muito neste trabalho...uns continuam, outros vão nos ajudar em outro setor da igreja, alguns chegaram, porém o mais importante é não parar, pois existem várias famílias que aguardam por essa ajuda, cuidado e viva demonstração de amor ao próximo – enaltece Pe. Lucas.
Uma vez por mês, sempre as sextas-feiras, o atual grupo da pastoral, coordenado por Dona Penha de Souza Rocha, se reúne para o curso de capacitação. Quem acompanha esse processo é a Coordenadora da Pastoral da Criança da Diocese de Nova Friburgo (setor 160), Veridiana de Araújo.
- Hoje temos três líderes, atendemos 34 famílias de três comunidades da paróquia, que recebem assistência contínua do nosso grupo. A tendência é que esse número aumente nos próximos meses, após o término da capacitação – diz Célia Tavares, que participa do curso para, posteriormente, se tornar membro da equipe.
A atuação principal da Pastoral da Criança é acompanhar a gestação das grávidas, o nascimento da criança e seu desenvolvimento até os seis anos. Mas a missão não se resume somente a isto: é preciso disponibilidade e muito amor para visitar as famílias.
Texto e foto: Fernanda Aires

terça-feira, 21 de junho de 2016

Foi há 30 anos

No dia 22 de junho de 1986, Papa João Paulo II fez uma visita cordial aos palotinos, naquela mesma casa onde vivera anos antes. Quando estava na Igreja de São Salvador in Onda, local onde repousa os restos mortais de nosso santo fundador, o então papa lembra que foi naquele local que o receberam por ocasião de seus estudos em Roma, ele disse: “Ainda hoje recordo, não sem emoção e gratidão, aquele dia no longínquo 1946 quando, jovem sacerdote, cheguei a Roma para aperfeiçoar os meus estudos...e fui acolhido nesta comunidade”.
Sempre que se dirigiu para se lembrar de São Vicente Pallotti, o papa são João Paulo II nunca deixou de usar suas palavras profundas a respeito da pessoa de nosso Santo Fundador: “No coração sacerdotal de Vicente Pallotti ressoavam as pulsações do coração de Jesus, Bom Pastor, que procura a ovelha tresmalhada”.
No dia 22 de junho, ao encerrar uma Celebração Eucarística são João Paulo II mencionou: “Continuai a multiplicar o vosso empenho a fim de que aquilo que de maneira profética foi anunciada por Vicente Pallotti e com autoridade foi confirmado pelo Concílio Vaticano II, se torne uma feliz realidade, e todos os cristãos sejam autênticos apóstolos de Cristo na Igreja e no mundo! Amém!

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Festa Junina

Festa Junina - Paróquia São Benedito Itaperuna





quarta-feira, 15 de junho de 2016

Peregrinação ao Santuário da Divina Misericórdia

No  sábado, 11 de junho, professores, alunos e familiares do Instituto Diaconal Santo Efrém participaram da Peregrinação ao Santuário da Divina Misericórdia, quando passaram pela Porta Santa seguido da Santa Missa presidida pelo Vigário Episcopal e Vice-Diretor do Instituto, Padre Nivaldo Alves dos Anjos Junior  e concelebraram o padre João Sopicki SAC, pároco do Santuário e Diáconos Permanentes.


Estava presente, também, o diretor do Instituto, Padre Jorge André Pimentel Gouvêa.


Após a Celebração Eucarística, os presentes partilharam da Palestra sobre a Misericórdia com o pároco, padre João Sopicki.


Fotos e texto  de Claudia Lima

quarta-feira, 8 de junho de 2016

A Porta Santa da Misericórdia em Guidoval

No dia 8 de dezembro de 2015, o Papa Francisco abriu o Ano Santo, um Jubileu Extraordinário que tem no seu centro a misericórdia de Deus. É o tempo favorável para a Igreja.

O desejo do Papa Francisco é que, “onde a Igreja estiver presente, aí deve ser evidente a misericórdia do Pai. Nas nossas paróquias, nas comunidades, nas associações e nos movimentos – em suma, onde houver cristãos - qualquer pessoa deve poder encontrar um oásis de misericórdia”.




O sinal visível do Ano Santo é a Porta da Misericórdia em que qualquer pessoa que entre poderá experimentar o amor de Deus que consola, perdoa e dá esperança.




A nossa Matriz de Sant´Ana, que faz parte da Forania de Ubá, (uma parcela da nossa Diocese de Leopoldina), recebeu a graça de ter a Porta Santa da Misericórdia.





O ato da abertura da Porta da Misericórdia, que continuará aberta até o dia 20 de novembro, se deu dia 3 de junho de 2016.

Pe. Paulo Kowalczyk SAC