quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Abertura oficial do Período Introdutório Sulamericano

No domingo 08 de janeiro, o reitor provincial Pe. José Elias Fadul presidiu a celebração de abertura oficial do Período Introdutório Sulamericano em Cornélio Procópio (PR), na qual foram acolhidos 16 jovens provenientes das jurisdições de São Paulo (7), Rio de Janeiro (5), Santa Maria (2), Argentina (1) e Colômbia (1). Estiveram presentes na celebração, além do mestre de noviços Pe. Elmar Rubira e do diretor espiritual Pe. Erno Schlindwein, os padres Gilmar Simplicio, José Rodrigues, Jurandir Nascimento, o Diác. Edvaldo Betioli e os Irmãos Victor e Alduíno.

​O período introdutório, que é comumente conhecido por noviciado, tem duração de dois anos conforme as Leis da Sociedade do Apostolado Católico, sendo o primeiro vivido em experiência sulamericana de cooperação, em Cornélio Procópio. É o período que prepara os candidatos para o ingresso na Sociedade e proporciona-lhes a formação espiritual fundamental para que seja suscitado o interesse pelos ideais da Sociedade, de modo que os candidatos, ao fazerem a primeira consagração, se sintam convencidos da própria vocação e pertença à Sociedade (cf. LSAC, 65).

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Faleceu Pe. José Maślanka SAC

Região da Mãe da Misericórdia do Rio de Janeiro da Sociedade do Apostolado Católico, com pesar, informa o falecimento do Pe. José Miguel Maślanka SAC, aos 83 anos, ocorrido no dia 6 de janeiro 2017 em Manaus.

Elevemos nossas preces a Deus para que ele conforte o coração dos seus familiares, seus coirmãos, amigos e moradores de Novo Airão. E que em Sua infinita misericórdia e bondade o acolha em seus braços.

Pe. José nasceu numa aldeia Lodygowice, localizada aos pés das montanhas no sul da Polônia, em 20 de setembro de 1933, como filho mais novo. Terminando o segundo grau foi trabalhar como professor de formação inicial de crianças. Após o primeiro ano como professor disse que não concordava com a imposição dos comunistas de impor a ideologia ateísta. Decidiu então entrar no Seminário Maior Palotino para ser sacerdote. Os colegas dos tempos de estudo contam muitas irreverências de um jovem seminarista que afirmava que “o mundo é bonito e os homens são bons”. Sempre achava que o mais importante é o que contem a Bíblia para repassar para o povo de Deus. Foi ordenado sacerdote no dia 11 de junho de 1959. Quando foi enviado à Universidade Católica, após alguns dias de estudo desistiu da pós-graduação dizendo: “os professores não podem me ensinar mais do têm na Bíblia e por este motivo é perda de tempo estes estudos”. Com seu entusiasmo sempre atraía muitos jovens, organizando nas paróquias os coroinhas e entre os jovens grupos de escoteiros. Sempre foi apaixonado pelas águas. Passava as férias com jovens na região de lagos organizando cursos de navegação e dando ao mesmo tempo uma formação religiosa percebendo a presença de Deus na natureza. Como jovem sacerdote, com poucos anos de trabalho na Polônia, foi enviado à França. Continuou a mesma missão entre os jovens emigrantes poloneses. Entretanto queria algo diferente. Sendo assim, decidiu viajar ao Brasil para ser missionário na Amazônia. Veio para Mato Grosso em 1971, onde trabalhou com os padres da Província de Santa Maria. Assim que aprendeu a língua, aproveitando as suas primeiras férias, viajou para a Amazônia. Passou dias viajando de barco até chegar em Manaus. Gostou tanto que logo procurou mais alguns aventureiros para assumir a missão em novos bairros de Manaus. Mas o mundo das periferias de Manaus já não o atraía. Sendo assim, em 1973 começou a sua missão em Novo Airão, que na época era uma pequena localidade às margens do Rio Negro. Até os ultimas dias da sua vida servia a comunidade de Novo Airão.

É com enorme tristeza que o vemos partir, deixando-nos mais pobres, mas também o confiamos à divina misericórdia, na certeza que nos acompanhará desde o Céu.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Festa de Santíssimo Nome de Jesus

No início do ano a paróquia do Santíssimo Nome de Jesus celebra a festa do seu padroeiro.
Neste ano o festejo começou com o Tríduo preparatório celebrado a partir do dia 31 de dezembro na igreja Matriz. No dia do Padroeiro, 3 de janeiro, a santa Missa solene foi presidida pelos padres palotinos: o pároco Pe. José Antônio Zavorski e concelebraram Pe. Juliano  Guilherme e Pe. Artur Karbowy. O pároco, com palavras carinhosas, deu as boas-vindas a todos que vieram a essa celebração.

Durante a homilia Pe. Artur lembrou que a festa do Santíssimo Nome de Jesus é celebrado  porque oito dias depois de seu nascimento, o Menino foi circuncidado e recebeu o nome de Jesus, conforme o Anjo tinha dito à Virgem Maria: "Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus" (Lc 1, 31). O Anjo deixou bem claro a são José a razão desse nome: "porque ele salvará o seu povo de seus pecados". Durante os séculos muitas vezes os fiéis experimentaram o poder desse nome. 

Foi lembrado o exemplo de uma epidemia devastadora que surgiu em Lisboa em 1432. Todos os que podiam, fugiam aterrorizados da cidade, levando assim a doença para todos os recantos de Portugal. Milhares de pessoas morreram. Entre  os membros do clero que davam assistência aos agonizantes estava um venerável bispo, Dom André Dias, o qual incentivava a população a invocar o Santo Nome de Jesus. Ele percorria o país, recomendando a todos, inclusive aos que ainda não tinham sido atingidos pela terrível enfermidade, que repetissem: “JESUS, JESUS!”. Dom André Dias apelava: "Escrevam este nome em cartões, mantenham esses cartões sobre os vossos corpos; coloquem-nos, à noite, sob o travesseiro; pendurem-nos em suas portas; mas, acima de tudo, constantemente invoquem com os vossos lábios e nos vossos corações este Nome poderosíssimo". Em um prazo incrivelmente curto o país inteiro foi libertado da epidemia, e as pessoas agradecidas continuaram a confiar com amor no Santo Nome do nosso Salvador.

No fim da celebração Eucarística teve lugar a pequena procissão com a imagem do Menino Jesus ao redor da igreja, durante a qual foi rezada a ladainha do Santíssimo Nome de Jesus. Todos puderam receber uma bênção individual.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Oitavário da Epifania

Ao trabalhar no Seminário da Propaganda da Fé em Roma, Vicente Pallotti teve a oportunidade de conhecer pessoas de várias nacionalidades, pois os que aí estudavam eram oriundos dos diversos países de missão. Todo candidato trazia consigo a nacionalidade, a cultura, a história, o jeito de ser cristão do seu país. Neste seminário realizavam-se anualmente a Festa das Línguas, isto é, celebrações com características próprias dos países de missão.
Tinha, outrossim, ótima oportunidade de assistir às solenidades religiosas celebradas em diversos ritos, com pompa tipicamente oriental, e de ouvir discursos, poesias e cantos em diversos idiomas, mormente na original Festa das Línguas, que se efetuava no Seminário durante o Oitavário da Epifania.
Ao ver tudo isso, com certeza, Pallotti deve ter-se perguntado: por que não levar isso ao povo? Assim nasceu a ideia do Solene Oitavário da Epifania.
A primeira festa aconteceu na igreja do Espírito Santo, em janeiro de 1836. Nela se realizavam celebrações com sermões em várias línguas e várias bênçãos.  A celebração partia do seguinte pressuposto: da mesma forma que os magos foram chamados a adorar o Menino Jesus, todos são convidados a adorar o Deus feito homem, do seu jeito, conforme a sua cultura, unindo assim toda Igreja ao redor do Deus feito homem.
Como a festividade foi crescendo, se fez necessário ampliar o espaço da celebração. Várias igrejas tiveram a oportunidade de celebrar o Oitavário, até que em 1841 ela se estabilizou na igreja de Santo André Della Valle, a maior igreja de Roma depois das Basílicas. O ano de ouro do Oitavário foi em 1870, período do Vaticano I, quando contou com a participação de muitos bispos e arcebispos. Esta festa perdurou por muitos anos em Roma. Em 1969 aconteceu a celebração do último Oitavário.
O Oitavário expressa um importante aspecto do ser palotino, a unidade do ser cristão. Pallotti tinha o desejo de que esta festa fosse realizada em todo mundo, mas, infelizmente, hoje ela apenas faz parte da história e de um sonho. O último Oitavário em que Pallotti participou foi nove dias antes de morrer, em 1850, quando fez o sermão muito comovido e alegre, se despedindo de seus companheiros. 
A tabela das celebrações de 1898 pode nos dar uma ideia da intensidade e amplitude das mesmas, no Oitavário. Abria-se a Igreja às 5h 30min com o Santo Rosário e a celebração da Santa Missa. Às 6h, havia a pregação em Italiano; às 8h30, Missa cantada em Rito Latino; às 9h30, Celebração em um Rito Oriental; às 15h, leitura de uma reflexão sobre a Epifania, Rosário, pregação e Bênção Eucarística presidida por um Cardeal; às 17h, novamente: leitura, pregação e Bênção presidida por um Bispo. A Missa das 8h 30 estava confiada, alternadamente, às várias famílias religiosas, e, por sua vez, seminários e colégios intervinham nas grandes celebrações da parte da tarde. Havia sempre grande disponibilidade de confessores e as ofertas que se recolhiam na igreja eram encaminhadas para as missões.
O Padre Gioacchino Ventura, Superior Geral dos Teatinos, redigiu preciosas leituras sobre a Epifania. Recolhemos algum trecho delas, que se encontram distribuídos pelas leituras dos oito dias a seguir, que vamos seguir neste VI Oitavario do ano 2017.
PRIMEIRO DIA - Profecia – Jesus, luz verdadeira 
SEGUNDO DIA - O chamado e a resposta dos Magos
TERCEIRO DIA - Inquietação em Jerusalém e inércia de sua gente
QUARTO DIA - Os magos adoram o Menino
QUINTO DIA - O que teria conversado Maria com os Magos
SEXTO DIA - Os presentes dos Magos
SÉTIMO DIA - José, esposo de Maria e pai da Casa de Nazaré
OITAVO DIA - A Mensagem de São Vicente Pallotti
Convidamos para VI Oitava da Epifania da União do Apostolado Católico, em Febres (Portugal) de 8 a 15 de janeiro. Tema deste ano: Unidade Pastoral como uma Familía. Cada dia Missa as 19 horas, depois a partilha. Os movimentos a se apresentar são inspirados pelo interesse da espiritualidade da Família.
8 de janeiro: União do Apostolado Católico
9 de janeiro: Encontro dos Casais com Cristo
10 de janeiro: Equipas de Nossa Senhora
11 de janeiro: Famílias de Nazaré
12 de janeiro: Renovamento Carismático
13 de janeiro: Movimento da Sagrada Família
14 de janeiro: Pastoral Familiar
15 de janeiro: Sociedade do Apostolado Católico

Também entre os dias 8 e 15 de Janeiro de 2017 celebraremos o Oitavário da Epifania na Paróquia do Santíssimo Nome de Jesus em Odivelas. Durante estes dias, convidamos todos para a Santa Missa das 18h30 na Igreja Matriz. Estarão presentes diversas congregações e receberemos bênçãos especiais para cada dia desta semana.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Natal 2016

«Ao acender a luz da árvore de Natal, nós desejamos que a luz de Cristo brilhe em nós. Um Natal sem luz não é Natal! Que haja luz na alma, no coração; que haja perdão aos outros; que não haja inimizades, trevas... Que haja a maravilhosa luz de Jesus! São estes os bons votos que formulo a todos vós, no momento de acender a luz da vossa árvore de Natal»  (Papa Francisco).

Estas maravilhosas palavras do Papa Francisco - que incansavelmente se esforça para que o nosso mundo seja governado pelo amor, misericórdia e compaixão – são os votos de todos nós na Casa Geral: que podereis ser iluminados por esta Luz e experimentar o perdão que rasga a escuridão e inimizade.
Quero também compartilhar com todos vocês a imagem comovente - enviada por Pe. José Elias Fadul, SAC, Reitor Provincial da Província de São Paulo, Brasil - que retrata uma mãe síria com seu bebê, depois de ser transferido de um barco naufragado na ilha de Lesbos, na Grécia, para nos lembrar que existem milhões de pessoas ao redor do mundo que compartilham o mesmo destino do Filho de Deus, que se fez humilde e pobre.

O Natal não nos deixa impotentes diante da manjedoura; a contemplação deste mistério profundo deve levar-nos para colocar um sorriso no rosto de uma criança, que nos ensina a manter a esperança apesar de nosso mundo marcado por tanta violência. Rezemos incessantemente pela paz, especialmente em países que estão enfrentando grandes dificuldades.

Envio uma bênção especial com imagem do Menino Jesus usado por nosso Fundador São Vicente Pallotti durante a oitava da Epifania e guardada agora em exposição na Igreja de SS. Salvatore in Onda!

FELIZ NATAL

FELIZ ANO NOVO
Pe. Jacob Namudakam, SAC

Reitor Geral

sábado, 10 de dezembro de 2016

Mãe Peregrina Coroada em Odivelas

No dia 7 de Dezembro, mesmo às portas da Vigília da Imaculada Conceição, celebrámos em festa a coroação das imagens peregrinas da Mãe Rainha de Schoenstatt, na nossa Paróquia de Odivelas.
Presidiu à celebração o reitor do Santuário de Schoenstatt de Lisboa, padre José de Melo, concelebrando com o nosso pároco, padre José António Zavorski. Estiveram também presentes os responsáveis do movimento de Schoenstatt.



O Movimento Apostólico de Schoenstatt desenvolve a sua missão na nossa paróquia há cerca de três anos e as dezassete imagens que circulam nas casas das famílias foram agora todas coroadas na Eucaristia da Comunidade das 18h30.  




Foi um momento muito belo e importante que foi preparado com orações, entrega e sacrifícios durante muitos meses. Maria faz o seu trabalho de forma muito discreta mas também muito eficaz. E, assim foi possível aumentar o número de famílias, empresas, e doentes visitados, com a atribuição a 4 novas missionárias de mais 4 imagens peregrinas.


Eu fui uma delas e estou muito agradecida ao Senhor e á Sua e nossa Mãe, pela nova missão de coordenar um pequeno grupo de famílias que irão receber as graças e sobretudo a esperança que se origina em cada Santuário da Mãe Rainha Três vezes Admirável de Schoenstatt.



Estão à nossa espera muitos doentes do corpo e da alma que não podem ficar sem a Mãe Peregrina que os visita em cada mês.
Há muitos testemunhos de graças na nossa comunidade, e não é à toa que dizemos que “Ela é a Grande Missionária, Ela fará Milagres”.
Isabel dos Santos

Dia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição

Missa Solene de Nossa Senhora da Imaculada Conceição e Renovação do Ato de entrega da Paróquia São Benedito em Itaperuna à Nossa Senhora.