sexta-feira, 29 de julho de 2011

DOIS BANQUETES, DOIS REINOS

No Evangelho de hoje, temos dois banquetes. Um que sacia a alma e o corpo dos discípulos de Cristo, outro que não sacia o homem, mas o avilta.
Vejamos esses os dois:
Esse segundo vem insinuado no início do Evangelho. Foi o banquete onde São João Baptista foi morto. Era o banquete de Herodes. Neste banquete, os pobres não foram convidados. Para este só foram convidados “os grandes da corte, os oficiais e os principais da Galileia” ( Cf. Mc 6,21). João baptista foi o único pobre que compareceu e cortaram-lhe a cabeça. Era uma refeição onde aconteceu, certamente, muito desperdício e intemperança. Herodes já estava alcoolizado. Naquele tempo ele estava em adultério. Vivia com a esposa de seu irmão Filipe. Neste banquete uma jovenzinha dançou. Era provavelmente sobrinha de Herodes. Jovem exuberante e formosa que facilmente ganhou-lhe a alma. Não contente em estar em adultério com a mãe, já interessava-se pela filha. A proposta foi insensata e inconsequente: “– Pede-me o que quiseres e eu to darei.» E acrescentou, jurando: «Dar-te-ei tudo o que me pedires, nem que seja metade do meu reino” (Mc 6,22-23) A menina, inexperiente, foi perguntar à mãe o que deveria pedir. Nesse momento, o ódio e o despeito falaram ainda mais alto do que a ambição. “Induzida pela mãe, respondeu: «Dá-me, aqui num prato, a cabeça de João Baptista” (Mt 14,8) Paremos por aqui, pois já começa a dar-nos náuseas…. Em resumo, quais são as características deste banquete? Convite só dos ricos, desperdício, bebedeira, adultério, luxúria, ódio e morte.
Não nos admiramos que uma das pessoas que provavelmente estava presente, Joana, mulher de Cuza, administrador de Herodes, (Cf. Lc 8,3) tenha tomado a decisão de procurar um novo rei, um outro reino. O Evangelho, mais tarde, relata que ela foi uma das principais mulheres que seguiam Jesus. Este Herodes não dava mais. Não dava mais para seguir as máximas daquele ditador. Era necessário um novo Rei e um novo Reino.
No Evangelho de hoje, aparece o banquete, ou pelo menos o prelúdio do banquete do novo Rei e do novo Reino. É o banquete de Jesus. Ele o prepara no deserto, que na Bíblia é o local do encontro com Deus. Dele participam os pobres, os ricos, os letrados, os ignorantes, ou seja, quem tiver fome e sede de justiça. O novo Rei, ao invés do cruel Herodes, é cheio de compaixão pelo seu povo: “Ao desembarcar, Jesus viu uma grande multidão e, cheio de misericórdia para com ela, curou os seus enfermos” (Mt 14,14); Alimenta-os também com a Palavra de Deus: “Ao desembarcar, Jesus viu uma grande multidão e teve compaixão deles, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, então, a ensinar-lhes muitas coisas” (Mc 6,34) Não é um banquete de extravagâncias, mas o essencial não falta: o Amor de Deus que suscita caridade e partilha: “Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes.» «Trazei-mos cá» - disse Ele” (Mt 14,17)
Que diferença do banquete de Herodes! Mesmo sendo pouco, a partir da partilha, Jesus faz o milagre: o milagre da multiplicação dos pães, prefiguração do maior de todos os milagres que é a Santíssima Eucaristia; Eucaristia que é Sacramento da Caridade, que alimenta a caridade através da Palavra e do Pão da Vida.
Podemos nos perguntar: de que banquete temos participado (ou pelo menos participado mais)? Do banquete do Rei Jesus ou do banquete do rei Herodes? Não serão as nossas crises internas e externas como a seca da Somália e outros países, um convite do Senhor a participarmos com mais fruto do banquete da Eucaristia,  partilhando com mais generosidade e que as nossas festas sejam mais ao estilo do Rei Jesus?
Pe. Marcelo

Paróquia Santa Isabel no Rio de Janeiro

A história de nossa Paróquia começou no ano 1917, quando um grupo de fiéis abnegados e fervorosos fundou a Irmandade Nossa Senhora de Conceição, com a finalidade de construir em nosso bairro – Bento Ribeiro, uma Capela em louvor a Santa Isabel – Rainha de Portugal. Com o esforço, a perseverança e a fé de seus idealizadores, a Capela foi construída. Os anos se passaram e, no dia 25 de abril de 1934, a Capela é elevada à categoria de Matriz, localizada na Rua João Vicente, esquina com a Rua Paracuru. Foi transferida para o atual endereço (Rua Leopoldina Seabra) em 06 de março de 1961, funcionando provisoriamente no teatro da escola. A obra foi iniciada em 17 de abril e, a 06 de agosto de 1961, Sua Eminência, o Cardeal Dom Jaime de Barros Câmara, benzeu a pedra fundamental. A solene inauguração aconteceu a 05 de julho de 1964.
Os Padres Agostinianos estiveram à frente da Paróquia desde a sua fundação. Posteriormente, a Paróquia passa às mãos de Padres Seculares. No ano de 1949, o Sr. Cardeal Dom Jaime de Barros Câmara confia a Paróquia ao zelo e apostolado dos Padres Palotinos (Sociedade do Apostolado Católico), os quais a administram até o presente.
A presença dos Palotinos vem mostrar com os seus testemunhos e oferecer o carisma de São Vicente Pallotti, que é fazer com que cada batizado seja um missionário na Igreja de Jesus Cristo e promova uma constante transformação na sociedade, reavivando a fé e reacendendo a caridade.
A participação dos leigos é efetiva e eficiente conforme o grande número de Pastorais e Movimentos (em torno de quarenta e três), atuando nos diversos segmentos: catequese, serviço social com os Vicentinos e Consultório Médico/Dentário, comunicação através de jornal informativo, dentro outros. Nosso Pároco, Pe. Lucas Kaczmarek SAC, dinâmico e empreendedor, muito tem se esforçado, incentivando e apoiando a todos com o objetivo de melhorar, cada vez mais, a qualidade da presença leiga na ação da Igreja e a integração de todos (a unidade na diversidade).
Completamos, em abril, setenta e sete anos, tendo como Padroeira Santa Isabel; pedimos para que ela interceda junto a Deus, por todos os membros da comunidade, pelos Sacerdotes que passaram por aqui e, em especial, pelo nosso pároco, Pe. Lucas, a fim de que possamos caminhar rumo à implantação do Reino de Deus aqui na terra.
Carla Moreira

quinta-feira, 28 de julho de 2011

O dia dos Santos Joaquim e Ana

O dia dos Santos Joaquim e Ana, pais de Maria, avós de Jesus, em paróquia São Sebastião de Itaipu foi comemorado com procissão e Santa Missa. Os paroquianos reuniram-se no bairro de Itacoatiara, próximo a pequena capelinha onde fica a imagem de Santa Ana, para dali partirem em procissão para a Capela de Nossa Senhora da Conceição. As 19h a procissão saiu pelas ruas do bairro, com cânticos e a oração do terço mariano.

Ao Chegar na capela, iniciou-se a santa Missa. Durante a homilia o Pe. Juliano Guilherme SAC, lembrou o mandamento de Jesus " Honrar Pai e Mãe", e disse que este mandamento se estende aos nossos queridos avós. Que devemos cuidar, respeitar e amá-los com todo nosso coração, os avós são pais 2 vezes, e ainda tem aqueles bisavós!
No final da celebração, Pe. Juliano deu a benção especial para os avós presentes, e rezamos todos pelos nossos avós vivos e falecidos. Após a benção Final todos puderam confraternizar nas barraquinhas onde foram servidos caldos e comidas deliciosas.
Parabéns a todos os vovôs e vovós das nossas comunidades! Santa Ana e São Joaquim, rogai por nós!!!
Camille Santos

terça-feira, 26 de julho de 2011

Crianças rezando Terço da Misericórdia

Como acontece há muitos anos, às sextas feiras 15h aqui no Santuário da Divina Misericórdia, rezamos o terço que Jesus ensinou a Sta. Maria Faustina .



Fomos elevados a condição de Santuário, e com isto a vinda de peregrinos tornou-se mais freqüente. A convite de Pe. Jan Sopicki , recebemos dia 21 de julho uma caravana de crianças da Capela de Nosso Senhor dos Aflitos em Pendotiba/Niterói. Ele convidou-as e também as crianças daqui da nossa paróquia para que viessem rezar o Terço da Misericórdia.


A caravana chegou e uma grande alegria tomou conta dos nossos corações. Eles estavam com as camisas da sua capela, e o mais importante, sob a batuta do Sr. Ademilson Pereira dos Santos, muito bem ensaiados e afinados. Rezaram o terço, cantaram muito compenetrados, comportados e educados. Estão de parabéns as catequistas e o Sr. Ademilson pelo excelente trabalho que desenvolvem com a comunidade!



Que Jesus Misericordioso os abençoe sempre pelas mãos de N. Sª Mãe da Misericórdia!
Marita M.C.Veiga --Secretária do MDM.


Para todos fica o convite para ouvir e acompanhar a oração do Terço da Misericórdia toda Sexta-Feira, ao vivo no Santuário da Divina Misericórdia.
End: Rua Divina Misericórdia, s/n  Bairro: Vila Valqueire- RJ
http://www.radiocatedral.com.br

Cuide bem dos pais de teus pais

Feliz do homem e da mulher que conseguem alcançar uma determinada idade com cabelos brancos! Isto é sinal de bênção divina! Caso não se lembre, mas foi isso que o casal durante o matrimônio recebe a graça durante a “bênção nupcial” quando o padre ou o Diácono invoca a oração ao Pai do Céu quando diz: “...que estes vossos filhos que pedem o sacramento do matrimônio possam ser pais de comprovada virtude, possam também ver os filhos de seus filhos” Pois é, meu leitor, estamos neste mês lembrando dos nossos avós!
Esta fase da vida conhecida como a plena idade faz justamente lembrar que os pais de nossos pais são aqueles primeiros que instruem suas gerações futuras, através de suas experiências e desafios que suportaram durante um bom tempo. Não é a toa que a Palavra de Deus o chamam de Sábios e lembram que esta palavra vem do termo que significa: SABOR (sabedoria); apontando que os avós(aqueles que respeitam os caminhos do Senhor) são os que nos mostram a melhor forma de saborear a vida, com outras palavras, os avós são os grandes mestres de como se deve bem temperar a vida de seus filhos e de seus netos! Por isso diz o Livro do Eclesiástico: “não desprezes o que contarem os velhos sábios, mas entretém-se em suas palavras, pois é com eles que aprenderá sabedoria e os ensinamentos da inteligência...” (8,9). Por isso, ó gerações futuras (filhos, netos, bisnetos, tataranetos,....) veja em sua vida se você trata com respeito os seus avós: um ato desamoroso com eles, com certeza não é nenhum ato feito com sabedoria! Amem àqueles que souberam te transmitir a sabedoria (honestidade, generosidade, justiça, bondade...) e assim você se conservará na amizade com o Seu Criador.
Pe. Juliano Guilherme SAC

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Jubileu de Ouro de Pe. Ceslau

Com muita alegria apresento a vocês um querido padre da nossa comunidade religiosa, que no mês de junho passado, mais precisamente no dia quatro, completou cinqüenta anos de vida sacerdotal.
Seu nome: Ceslau (Czeslaw) Zajac SAC. O nosso estimado Pe. Ceslau, um dos primeiros missionários poloneses a vir para o Brasil, em 1973, seguindo o apelo do Papa João XXIII, que pedia ajuda à Igreja Latino-Americana.
Esse grande sacerdote foi a raiz, podemos assim dizer, de toda a comunidade palotina no Rio de Janeiro.
Foi ordenado no dia 04 de junho de 1961, em Oltarzew, com mais dezessete coirmãos. Trabalhou durante doze anos na Polônia quando, em 1973, veio para o Brasil iniciar o seu trabalho missionário, passando pela Paróquia de Santa Isabel, no Rio de Janeiro, Santuário da Divina Misericórdia e, atualmente, exerce seu ministério sacerdotal como Vigário Paroquial, na Paróquia de Nossa Senhora de Fátima em Niterói.
Grande exemplo de sacerdote estimulou muito os nossos seminaristas, com o seu amor pelo sacerdócio que, aos olhos do povo, pode parecer um homem sério e até ríspido, mas que o conhece verdadeiramente, sabe que ele tem um coração que busca, a cada dia, se configurar ao Coração de Jesus.
Sua devoção a Santa Teresinha sempre ajudou a amar a Deus. Seu zelo na divulgação da Espiritualidade da Divina Misericórdia o impulsionava na sua missão e o levou a se doar na edificação do santuário e, principalmente, de um centro pastoral para se tornar fonte de irradiação da Misericórdia.
Hoje, querido Pe. Ceslau, nossa comunidade palotina reconhece todo o seu empenho pelo crescimento do nosso carisma em terras brasileiras, pois assim estaria realizado: o crescimento do Reino de Deus.
Que Maria, Rainha dos Apóstolos e São Vicente Pallotti, continuem intercedendo junto a Jesus, Apóstolo do Eterno Pai, pelo bom exercício do seu ministério sacerdotal! Parabéns, Pe. Ceslau, por suas Bodas de Ouro Sacerdotais.
Pe. Francisco José Marques Filho SAC

sábado, 16 de julho de 2011

Música atras da igreja

Após a inauguração do Bosque de Maria, em maio, toda as 3ª sexta-feira do mês acontece na paróquia São Sebastião em Itaipu o projeto "música atras da igreja".
Com o objetivo de reunir as famílias da comunidade paroquial e de outras comunidades para confraternização. É uma ótima opção para toda família, para ouvir musica boa, comer, dançar e se divertir num ambiente familiar.


Nesta última sexta foi comemorado o aniversário do Pe. Casimiro Pac SAC. 
Convidamos a todos para participar da Santa Missa as 20h e depois ir para o Bosque de Maria, a traz da igreja,  e aproveitar!!!
Camille Santos

O JOIO E O TRIGO

A paciência misericordiosa de Nosso Senhor para connosco é expressa de forma explícita na primeira leitura de hoje: Mas Tu, que dominas a tua força, julgas com bondade e nos governas com grande indulgência, pois podes usar o teu poder quando quiseres. (Sab 12,18)  Também o Salmo o diz: Mas Tu, Senhor, és um Deus misericordioso e compassivo, paciente e grande em bondade e fidelidade.”(Sl 86,15) 
Isso também vem insinuado no Evangelho: Entre a parábola do joio e do trigo e a sua explicação, existem duas parábolas interpostas: a do “grão de mostarda” e a do “fermento”. 
A presença do joio no meio do trigo, ou na linguagem que Jesus explicou, a presença dos filhos do demónio entre os filhos do reino produzem dois efeitos possíveis: “O escândalo, que é quando alguém peca devido aos maus exemplos dados por alguém. Sobre isso Jesus disse palavras muito fortes: Mas, se alguém escandalizar um destes pequeninos que crêem em mim, seria preferível que lhe suspendessem do pescoço a mó de um moinho e o lançassem nas profundezas do mar. Ai do mundo, por causa dos escândalos! São inevitáveis, decerto, os escândalos; mas ai do homem por quem vem o escândalo! (Mt 18,6-7); ou uma santificação ainda maior: quando em meio à degradação Deus suscita santos. Foi o caso de São Vicente Pallotti e de São Bento no seu tempo. A parábola do trigo e do joio, e as outras duas parábolas (Fermento e grão de mostarda) que se interpõem entre esta primeira e a sua explicação, dá a entender que no campo da vida pode ocorrer o que no campo da natureza não ocorre: O trigo pode vir a tornar-se joio e o joio pode vir a tornar-se trigo. Não vemos isto tantas vezes? Uma pessoa de quem esperávamos tudo, que estava francamente no caminho da perfeição, de repente decepciona-nos tão fortemente; outra pessoa pelo qual não dávamos nada, de repente torna-se óptima com uma conversão fulgurante. Foi o caso de São Camilo de Lelis que a Igreja comemorou nesta semana, de Santo Agostinho e tantos outros. Por um misterioso desígnio, trigo e joio crescem juntos neste mundo.  Sobre isso dizia Santo Agostinho: “Mas onde deverá então o cristão refugiar-se para não gemer no meio de irmãos falsos? Para onde irá ele? Fugirá para o deserto? As ocasiões de queda para lá o seguirão. Distanciar-se-á, ele que progride bem, até não ter de suportar mais nenhum dos seus semelhantes? E se ninguém tivesse querido suportá-lo antes da sua conversão? Se, por conseguinte, sob o pretexto de que progride, não quer suportar ninguém, por isso mesmo é evidente que ainda não progrediu. Escutai bem estas palavras: «Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor. Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz» (Ef 4, 2-3). Não há em ti nada que o outro tenha de suportar?”
A separação será no final: “…o Filho do Homem enviará os seus anjos, que hão-de tirar do seu Reino todos os escandalosos e todos quantos praticam a iniquidade, e lançá-los na fornalha ardente; ali haverá choro e ranger de dentes. Então os justos resplandecerão como o Sol, no Reino de seu Pai. Aquele que tem ouvidos, oiça!» (Mt 13, 41-43)
Uma outra interpretação possível da parábola do trigo e do joio é a doutrinal.  Depois de uma grande onda de cientificismo da era moderna  assiste-se, hoje em dia, no pós-modernismo, uma nova onda de volta do religioso. Mas porque as fontes de onde isso tem vindo não são puras, o que assistimos é uma salada mista de religião, onde, como no supermercado, cada um retira das “prateleiras” o que lhe apetece e vai formando o seu “carrinho religioso”. O povo cristão tem tomado contacto com costumes nitidamente pagãos, exotéricos e da chamada New Age (Nova Era). Quantos cristãos unem o seu catolicismo, por exemplo com a Yoga, meditação transcendental, controle mental, Reique, Rosa Cruz, Maçonaria, budismo, espiritismo, doutrina de reencarnação, uso de pedras, amuletos ou incenso (para atrair amor, paz dinheiro, etc…), astrologia, leitura de mão, taro (deitar cartas), feitiçaria em doses “homeopáticas” para crianças e adultos com o Harry Potter, etc…
Isso não é novo na humanidade. Quando o povo de Israel ia entrar na posse da terra prometida e , claro, ia entrar em contacto com povos pagãos que viviam nessa região, Deus exortou o povo por meio de Moisés: Quando entrares na terra que o Senhor, teu Deus, te há-de dar, não imites as abominações daquelas gentes. Ninguém no teu meio faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha; ou se dê a encantamentos, aos augúrios, à adivinhação, à magia, ao feiticismo, ao espiritismo, aos sortilégios, à evocação dos mortos, porque o Senhor abomina todos os que fazem tais coisas. Por causa dessas abominações é que o Senhor, teu Deus, desaloja da tua frente essas gentes. Entrega-te inteiramente ao Senhor, teu Deus! De facto, essas gentes que tu vais desalojar acreditam em agoureiros e adivinhos, mas a ti o Senhor, teu Deus, não o permite. (Dt 18, 9-14) Todas essas práticas que mencionamos acima são actualizações desse “joio doutrinal” de que fala o livro do Deuteronômio. Os entendidos dizem: “A semelhança entre essas duas plantas é tão grande, que em algumas regiões costuma-se denominar o joio como "falso trigo". Este pode ser venenoso e uma pequena quantidade de joio colhida e processada junto ao trigo pode comprometer a qualidade do produto obtido.” (ver wikipédia) Sejamos exigentes. Exijamos para nós e nossas famílias o Trigo puro da Palavra de Deus.
Para as células de Evangelização:
Quem entra em nossas casas pode, através de algum quadro ou crucifixo identificar que naquela casa mora um cristão? Temos em nossas cestas, revistas sobre horóscopo, reique, yoga, chacras, Nova Era? Sabemos distinguir o joio do trigo?
Pe. Marcelo

sexta-feira, 15 de julho de 2011

50 anos da Paróquia Nossa Senhora de Fátima

A Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Pendotiba – Niterói – RJ, completou no dia 9 de julho cinqüenta anos de existência. Essa foi criada em 1961, tendo em vista o desenvolvimento da região de Pendotiba e o crescimento populacional na localidade.
A história da Paróquia é a história de pessoas que ao longo dos anos, desde os primeiros paroquianos até os atuais, vêm demonstrando a fé que possuem em Deus nas suas ações: pois o tempo todo se colocam a disposição para trabalhar em prol da realização de um projeto que é reconhecidamente de todos. Homens e mulheres se uniam e se unem na oração, no planejamento das atividades para arrecadação de recursos, momentos de confraternização... Mas também atuam junto no trabalho pesado (carregar o material, faxina, por exemplo).

Desde sua fundação, a Paróquia contou com o trabalho de nove padres no exercício do atendimento espiritual da comunidade e administração das atividades desenvolvidas. Somente no ano de 1980, é que os párocos passam a contar com o auxílio de vigários no atendimento as várias necessidades da população católica de Pendotiba.
Os padres palotinos chegam a essa paróquia nos idos de 1981, sendo seu precursor Padre Ceslaw Zajac SAC, que veio na perspectiva de conhecer as potencialidades do lugar e da comunidade... Que bom, ele ter acreditado que a terra era boa para semear e após trinta anos da presença do carisma dos palotinos, cá está à comunidade celebrando seu jubileu de ouro.
Cinqüenta anos de história, de conquistas, de alegrias e também porque não dizer de conflitos, os quais parecem ter sido passageiros, pois a comunidade jamais esmoreceu em sua caminhada...
E recordar é viver... É manter viva a memória do que passou para valorizar o tempo presente. É saber que o se tem hoje resultou da luta e investimento de muitos no decorrer desses cinqüenta anos... Alguém construiu para que se usufruísse hoje. Daí o compromisso da continuação e da preservação dessa história de fé... Por isso, o povo se reuniu para dar graças a Deus pela vida dessa Paróquia, que desde julho de 1961 vem se construindo e se reconstruindo ao longo desses anos.
A comunidade reunida agradeceu também pela comunidade, pelos padres que por aqui passaram, pelos padres que agora estão à frente dos trabalhos e pela presença do Arcebispo na festa que se realizou.
Uma certeza ficou dessa celebração: a construção da Paróquia Nossa Senhora de Fátima não terminou com aqueles, que mesmo antes de sua instalação, já se sentiam paroquianos e responsáveis pela sua manutenção e crescimento... Ela continua através de cada de um que se reúne em seus espaços para louvar a Deus e trabalhar pela construção de seu Reino no mundo. Essa história se confunde com a história de cada paroquiano, enquanto Igreja viva de Cristo.
Por fim, nos dias 9 e 10 de julho, sob a direção do Padre Marcos Karny SAC, os corações dos paroquianos batiam num só... A alegria de celebrar cinqüenta anos ecoava em cada canto de seus prédios... Todos se tornaram UM só coração e UMA só alma. Que essa UNIDADE perdure por mais cinqüenta anos!
Maria Aparecida Evangelista 

XI Festival da Catequese

Nos dias 9 e 10 de julho aconteceu o XI Festival da Catequese da paróquia Nossa Senhora da Glória em Manaus. Objetivo do Festival foi arrecadação dos fundos para realizar o retiro e a celebração da 1ª. Eucaristia das crianças da catequese .






quinta-feira, 14 de julho de 2011

Festa junina em Itaipuaçu

Festa junina em Itaipuaçu






domingo, 10 de julho de 2011